7 / 19

Jack Mugler: O que fala quando as palavras calam

 

Jack Mugler no dia em que completou 42 anos, a 23 de maio, apresentou em estreia absoluta a performance O que fala quando as palavras calam, criada no âmbito do projeto Comunidade enquanto Imunidade.


Performance para duas câmaras.

Direção e Fotografia: Francisco Baccaro
Assistência e edição vídeo: Pedro de Barros
Trilha sonora: Marcelo Campello e Henrique Vaz
Fotografia de cena: Pedro Escobar
 

Agradecimentos: MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, Gil Pereira, Marcela Virzi, Eduarda Rosa, Cristiana Tejo, Marilá Dardot, Fernanda Feher e Thiago Verardi.

 


 

JACK MUGLER É artista multimédia e prossegue uma trajetória transdisciplinar para criar projetos experimentais que alinham diferentes campos de investigação: artes visuais, moda cinema e ilustração. Na sua pesquisa, engloba colagens, performances e instalações que questionam a iconografia do poder e a construção da identidade a partir do consumo, da opulência, da idolatria e do fetiche das imagens, na sua confrontação com o vazio existencial e com os percalços de reconstrução da identidade numa era de pós-verdades. Entre os seus projetos mais recentes, destacam-se a exposição individual “Artifício Visceral” (2018), na Casa Pau Brasil em Lisboa, e “Gold Strike”, Zona de Coexistência FEA: Festival de Espaços de Artistas 2019 em Lisboa. Mugler integra a comunidade NowHere, uma iniciativa experimental para pesquisas, trocas, reflexões e práticas em arte contemporânea. Mugler nasceu na cidade de Pernambuco no Brasil, vive e trabalha em Lisboa.

FRANCISCO BACCARO Transita entre suportes de expressão como a fotografia, escultura, instalação, arte pública, videoarte e performance. Concentra o seu trabalho na fotografia social, arquitetura, retrato, direção e fotografia para cinema. Traz na bagagem exposições em galerias e instituições culturais na Europa, Estados Unidos e Brasil.

PEDRO DE BARROS Cineasta brasileiro radicado em Portugal desde 2016. É formado em Audiovisual pela Universidade de São Paulo (USP) e Mestre em Desenvolvimento de Projeto Cinematográfico pela Escola de Teatro e Cinema (ESTC). Na sua carreira trabalhou em inúmeros projetos de vídeo, cinema e tV. Artista multipotencial, atua na escrita, realização, fotografia e montagem.

PEDRO ESCOBAR  Jornalista, realizador áudio visual e fotógrafo pós-graduado em fotografia contemporânea na Faculdade de Belas-artes de Lisboa. Sempre se interessou pela aplicação de técnicas mistas e pela convergência das linhas do pensamento humano. Sexualidade, psicanálise e comunicação são temas centrais na sua prática artística.

MARCELO CAMPELLO Mestre e doutor em Processos e Teorias Composicionais pelo Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade Federal da Paraíba (PPGM/UFPB - Brasil). Vadia entre as relações da acessibilidade, diversidade e sustentabilidade artística como meio de guerrilha cultural, na megalomania de existir. 

HENRIQUE VAZ Mestre em Processos e Teorias Composicionais e doutor pelo Programa de Pós Graduação da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Enquanto pesquisador atua, mediado por ensaios e oficinas, no atinente ao impacto sociotécnico da informação digital, à politização das tecnologias, sua acessibilidade e à crise do sujeito de direito e perda do humano sob os regimes de virtualização da biodiversidade e colonização algorítimico-genética. É natural do Recife no Brasil.

 

Voltar ao topo