Ed. 04-05-06 / 2020
Crítica — por Sofia Nunes
/application/files/thumbnails/medium/3915/8576/1856/image7-1_1.jpg
No outro dia, enquanto desinfetava os meus ténis, depois de vir da rua, reparei que o perfil da sola estava cheio de salpicos de tinta preta. Não me lembrava de ter passado por nenhuma zona de obras, nem de ter pisado nenhum pavimento sujo ou molhado. Aliás, os salpicos até já estavam secos e bem impregnados na borracha, mas continuavam a exalar um cheiro ligeiramente enjoativo, denso e fechado, embora familiar. Foi então que voltei a entrar, agora de memória, na exposição concebida por Laure Prouvost para a Kunsthalle Lissabon, a convite dos curadores João Mourão e Luís Silva.
Entrevista — por Justin Jaeckle
/application/files/thumbnails/medium/6315/8739/4819/Gabriel_Abrantes-5.jpg
"Wittgenstein disse que as grandes questões só poderiam ser abordadas através de piadas. Que a lógica não tinha força necessária para resolver essas questões. Na verdade, o humor pode ser libertador, mas também uma prisão. Há uma velha história que diz que a ironia era um pássaro que aprendeu a amar a sua gaiola. E que embora cante ao desprezo da sua gaiola, gosta de viver dentro dela." O mundo de Abrantes existe dentro da gaiola do nosso próprio mundo, cantando com um prazer ambíguo enquanto o interroga. Na gaiola da sua quarentena em Lisboa, Gabriel conduz-nos através da exposição e da sua obra.
Entrevista — por Eduarda Neves
/application/files/thumbnails/medium/8215/8860/0794/foto_de_luis.jpg
Coco Fusco é uma artista e escritora cubano-americana radicada em Nova Iorque. A sua produção artística e teórico-crítica interdisciplinar, que inclui performance, vídeo, curadoria e texto, aborda questões e tópicos como pós-colonialismo e raça, globalização e trabalho. Nas últimas três décadas desenvolveu investigação e produziu trabalhos escritos e cinematográficos sobre a Cuba pós-revolucionária. Nos seus vídeos e livros recentes, em torno da arte da performance cubana, propõe leituras críticas sobre os mecanismos do poder estatal e do seu impacto sobre os artistas cubanos.
Crítica — por David Silva Revés
/application/files/thumbnails/medium/3115/8740/6273/IMG-1841.jpg
Privada de público, esta exposição experimenta sozinha e inesperadamente aquela que era uma das intenções do artista quanto às condições de possibilidade na sua experiência relacional: uma certa “suspensão do espaço e do tempo”. Fatalmente, não por venturas estético-artísticas (ou, talvez, exactamente pelas direcções estetizantes que filtram o contexto actual), é esse mesmo estado de pastosidade espaciotemporal que nos engole agora, também sozinhos, no conforto dos nossos sofás (para os que aí têm o privilégio de poder permanecer). Contudo, embora não o ideal, possa ser esse um lugar ainda produtivo para nos focarmos nesse outro espaço — mais instável, mais insurrecto, mais sombrio, ou paradoxalmente mais luminoso — que Abismo segrega.
Entrevista — por Isabella Lenzi
/application/files/thumbnails/medium/6815/8687/5741/EVC_Still_14.jpg
“Estás vendo coisas”, primeira individual da dupla Bárbara Wagner (1980, Brasília) e Benjamin de Burca (1975, Munique) num espaço institucional português, foi inaugurada em meados de janeiro. Um mês antes do previsto, a exposição em cartaz na Galeria da Boavista de Lisboa teve que ser fechada, como tantas outras em todo o mundo, numa tentativa de conter a pandemia do COVID-19. Entre os dias 6 e 12 de abril, "Estás vendo coisas" (2016) estará disponível para visualização on-line numa ação promovida pelos artistas com as Galerias Municipais de Lisboa. Parceiros de trabalho há sete anos, a dupla tem uma produção que transita de maneira fluida por distintos universos.
Artigo — por José Marmeleira
/application/files/thumbnails/medium/5815/8592/6520/Karlos_Gil_Imagem_Exposicao.jpg
Este artigo inicia um conjunto de reflexões que a Contemporânea publicará nos próximos meses com o objectivo de analisar o impacto desta pandemia na prática artística contemporânea, tendo em conta as diferentes experiências, contextos e actividades. Para este, em particular, foram convidados a dar o seu testemunho curadores, directores de museus e galeristas. Outros testemunhos e intervenções contarão com a colaboração de artistas, ensaístas, poetas, entre outros, privilegiando também diferentes formatos; entrevistas, ensaios visuais, podcasts.
Voltar ao topo