Ed. 03-04 / 2019
Entrevista — por Antonia Gaeta
/application/files/thumbnails/medium/1115/5215/1085/exp_AngelaFerreira_25_-_roserichards-copia.jpg
Ângela Ferreira (AF): A minha relação com as políticas de identidade tem sido muito cuidadosa. Evidentemente que trabalho com uma forte consciência da minha condição como mulher, embora não me considere uma activista. No entanto, nestes meus trabalhos de homenagem a mulheres africanas existe verdadeiramente um esforço de celebrar um grupo de personalidades que, não só servem para sublinhar de forma positiva o papel das mulheres na construção de uma imagem construtiva do continente Africano e do mundo, mas também remeto para o seu papel como lutadoras contra os vários regimes opressivos em que viveram e ainda vivem.
Ensaio — por José Marmeleira
/application/files/thumbnails/medium/7915/5214/7433/Antonio_Bolota-2-copia.jpg
Na Galeria Quadrum, o projecto "Assentamento" de António Bolota, com curadoria de Sara Antónia Matos, é nos seus elementos essenciais, na sua estrutura, na sua aparência e escala, um monumento que evoca e transcende a actividade construtiva. Transfigurando-a, no plano da produção artística, numa delicada e grande obra de arte. Há cincos anos, António Bolota instalou na Galeria Quadrado Azul, em Lisboa, dois volumes que, dispostos no chão, lado a lado, transformavam um dos momentos da exposição numa experiência perceptiva, óptica.
Crítica — por José Marmeleira
/application/files/thumbnails/medium/2015/5155/0886/Pormenor1.jpg
"Mil Órbitas" começa numa pele de círculos recortados, como se a compor, a tecer um cenário. Suspensa, recebe o visitante na forma de preâmbulo, familiarizando-o com formas e fazeres. E é então que, no primeiro piso, os livros se abrem para fora, num palco de papel, com as imagens a tornaram-se múltiplas, a ganharem volume, fundo. Como projeções no espaço, azuis, vermelhas, com o desenho a revelar-se (num trabalho a tinta da china), num pequeno teatro em que a vida e a arte de António Poppe se cruzam, se colam, em que o processo de trabalho se desnuda. Nesta peça, em forma de diorama, vemos o desenho e a escrita como se produzidos pelas imagens e vice-versa, num fazer mútuo e ali suspenso.
Crítica — por José Marmeleira
/application/files/thumbnails/medium/9215/5170/9813/vista_geral_com_daniel_barroca.jpg
Dar a ver, tornar públicos os trabalhos dos artistas, assegurando-lhes uma existência que os transformará em arte. Fazê-los sair da escuridão a que o atelier os confina. Oferecer-lhes espectadores. Ora, diz-nos o senso comum, é isso o que se espera das exposições. Na Galeria Graça Brandão, a coletiva Stray Gods acolhe esse desígnio, mas de um modo que afirma a sua singularidade. É prospectiva e generosa, logrando reunir não apenas um conjunto eclético de nomes, mas um leque de artistas que escapam ou têm escapado, por força das circunstâncias, às luzes mais intensas da publicidade.
Crítica — por Cristina Sanchez-Kozyreva
/application/files/thumbnails/medium/9315/5155/3858/Installation_View_07.jpg
Na exposição individual de Diogo Evangelista, Organic Machinery, o espaço industrial da galeria Francisco Fino encontra-se banhado por uma luz escura e rosada. Cuidadosamente dispostas no centro, seis esculturas compostas por várias combinações de cilindros e tubos de aço inoxidável, Single Breeders (I, II, III, IV, V, VI), 2019, brilham tranquilamente. Ou talvez reluzam solitariamente. É o que sugere o som do canto de acasalamento da ave Kauai O’o, transmitido pela instalação número I. A agora extinta espécie desta ave canora australiana foi vista pela última vez no Havai em 1987.
Crítica — por Cristina Sanchez-Kozyreva
/application/files/thumbnails/medium/3815/5171/1878/07.jpg
Apresentando trabalhos em pintura e escultura de três artistas portugueses — Vasco Costa (1977), Filipe Feijão (1975) e Hugo Canoilas (1976) —, a exposição “Negative Hands” na Galeria Quadrado Azul reclama um território entre o presente e o futuro, mas combinando referências do passado com grandes figuras da literatura francesa dos anos 60 e 70, do século XX, e com a pré-história. O título da exposição é emprestado do poema de Marguerite Dumas “Les Mains négatives” (1979) que se inspirou nas pinturas rupestres do período Magdaleniano (17.000 a 12.000 anos antes do nosso tempo).
Voltar ao topo